A VERDADE IRREFUTÁVEL

A maior pedra de tropeço da humanidade desmoronando: a ascensão física de Cristo ao céu.

 “PAI, me abandonaste?” (Mateus c.27 v.46)

“Em tuas mãos entrego o meu espírito.” (Lucas c.23 v.46)

“… Este Jesus, que foi levantado de junto de vós para o céu, assim regressará do modo como o vistes ir para o céu (em espírito).” (Atos dos Apóstolos 1:11)

Malgrado só os seres raciocinantes, portadores de indispensáveis, saudáveis neurônios, assimilarão esta transcendental resolução.

“Conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres.” (João c.8 v.32)

Assim falou INRI CRISTO:

“Meus filhos, é possível que durante o período escolar já tenhais estudado alguns dos preceitos básicos da Ciência, dentre os quais a existência da atmosfera e suas camadas, a resistência do ar, a lei da gravitação universal, a mudança do estado dos corpos mediante a variação de temperatura, a relação entre a decomposição dos organismos e a regeneração da natureza, entre outros.

A atmosfera é o escudo de ar que envolve a Terra e a protege de corpos que entram em rota de colisão com o planeta. A atmosfera chega a dez mil quilômetros de altitude acima de nossas cabeças e é dividida em várias camadas. Dentre essas camadas, existem aquelas que apresentam condições totalmente inóspitas para a sobrevivência do corpo humano. A chamada gravidade é a força que atrai todos os corpos ao planeta, em direção ao centro da Terra. Além disso, a temperatura no espaço sideral – que confina 273°C negativos, ou seja, zero absoluto – levaria ao fenecimento inevitável por congelamento, considerando ainda a inexistência de oxigênio e de alimento para nutrir um organismo.

Portanto, há dois mil anos, para que meu corpo físico ascendesse ao PAI como ensinam os embusteiros da fé, ele teria que flutuar contra a gravidade, sobrepujar todas as camadas da atmosfera sem se desintegrar até chegar ao espaço sideral – o que significaria ascender ao infinito desprovido de qualquer propulsão – contrariando não somente uma, mas diversas forças e condições naturais estabelecidas pelo ETERNO SENHOR da Vida e do Destino para a manutenção da vida na Terra.

O SENHOR é perfeito e Suas leis são perfeitas e eternas. Para Ele tudo é possível, exceto contrariar as leis naturais que Ele criou. Por isso, eu jamais poderia ter subido ao céu de carne e osso. A realidade, a verdade irrefutável é que meu corpo de carne e osso sucumbiu aos flagelos ocorridos antes e durante a crucificação. Meu corpo retornou à Mãe Terra conforme a eterna lei de meu PAI, SENHOR e DEUS: Tu és pó, do pó tu foste tomado e ao pó retornarás’ – Gênesis c.3 v.19. Subi ao PAI unicamente em espírito, e em espírito reapareci após a crucificação e consequente desencarnação aos que clamavam por minha presença.

Tenho consciência de que sou parte do espírito do PAI, e, como ensino até hoje, todos são; apenas sou o mais antigo, ninguém é obrigado a crer. Eu não digo e nunca disse que era DEUS. Como prova disso, na hora da crucificação, invoquei o SENHOR, dizendo: ‘PAI, me abandonaste?’ (Mateus c.27 v.46) e na sequência: ‘Em tuas mãos entrego o meu espírito (Lucas c.23 v.46). Se eu fosse DEUS, a quem evocava? Assim, uma vez mais está comprovado que subi ao céu em espírito.

Uma vez que o corpo desapareceu da sepultura, conforme relatam as Escrituras, sendo encontrados apenas os lençóis que o envolviam, podeis agora perguntar: ‘Se Cristo subiu ao céu em espírito, o que aconteceu ao corpo?’. Em verdade vos digo: José de Arimateia, que a princípio havia pedido meu corpo a Pilatos a fim de depositá-lo em um sepulcro novo que mandou cavar na rocha (Mateus c.27 v.57 a 60), a posteriori retornou ao local acompanhado de alguns auxiliares, e o transladaram para uma sepultura anônima, conforme consta em Mateus c.28 v.11 a 15: ‘Enquanto as mulheres iam a caminho, eis que foram à cidade alguns dos guardas e noticiaram aos príncipes dos sacerdotes tudo o que tinha sucedido. Tendo-se eles congregado com os anciãos, depois de tomarem conselho, deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, dizendo-lhes: Dizei: Os seus discípulos vieram de noite e, enquanto nós estávamos dormindo, o roubaram. Se chegar isto aos ouvidos do governador, nós o aplacaremos e estareis seguros. Eles, recebido o dinheiro, fizeram como lhes tinha sido instruído. E esta voz divulgou-se entre os judeus (e dura) até o dia de hoje