Entrevista de INRI CRISTO ao jornalista lusitano Hugo Cruz

Senhor Inri estamos numa época de exageros e pecaminosidade, que opinião tem da homossexualidade?

INRI CRISTO: “A homossexualidade sempre existiu e, em regra geral, é uma questão de foro íntimo, uma opção do ser humano. Todavia, pelo menos aqui no Brasil, está havendo um surto de homossexualidade em função de transtornos biológicos, no que tange à alimentação. Só para dar um exemplo, nos últimos cinqüenta anos, devido à necessidade de abastecer a demanda por produtos de origem avícola, tem-se utilizado hormônios femininos a fim de acelerar o crescimento dos frangos e a conseqüente produção de ovos. Obviamente, quem ingere os produtos oriundos desse processo está indiretamente consumindo hormônios femininos, e está sujeito a sofrer reações bioquímicas no organismo. Acaba, assim, desenvolvendo traços de conduta tendendo à feminilidade, em conseqüência de uma alteração hormonal. Se a Europa importar frango oriundo do Brasil, certamente se repetirá esse quadro. Em resumo: existem os homossexuais que se descobriram e assumiram essa condição, daí é uma questão de foro íntimo, e há os que se tornaram homossexuais devido a uma alteração biológica oriunda da alimentação. Nesse caso, é um crime que está se cometendo contra a humanidade. Os jovens de hoje que ingerem frango desde a infância correm o risco de se tornar involuntariamente afeminados. Isso é a degradação, o caos social; mais um indício do fim dos tempos”.

Devemos como seres humanos respeitar a homossexualidade, e como tementes a Deus qual é o nosso papel?

INRI CRISTO: “O papel do ser humano é respeitar a natureza, deixar que ela siga o seu curso. O pecado dos seres humanos está justamente em intervir na natureza, conforme acabei de exemplificar na precedente pergunta. Reitero uma vez mais que a opção sexual do ser humano é uma questão de foro íntimo, ninguém tem o direito de interferir, isso tanto perante DEUS como perante os homens. E vos digo da parte de meu PAI: o ápice da evolução humana passa necessariamente pelos estertores da carne. O que acontece no interior de quatro paredes concerne a cada indivíduo. Afinal, o que é pecado? Tudo que fizeres que faz mal a ti ou a outrem, é pecado; tudo que fizeres que não faz mal a ti nem aos outros, não é pecado. Eis a síntese da lei divina. O restante são instrumentos de chantagem criados pelos homens para dominar os próprios homens”.

Senhor Inri sabe que um pouco por toda a Europa, os governos têm adaptado medidas de legalização do aborto? Qual é a sua posição em relação ao aborto?

INRI CRISTO: “As autoridades européias estão começando a ser despertadas para o uso do bom senso, e haverão de ser seguidas pelo restante do mundo, inclusive pelo Brasil. O aborto, nos dias atuais, é uma questão de saúde pública; transcende ao âmbito religioso. Eu não sou a favor do aborto. Sou a favor da vida; no entanto, vida com dignidade. Esse é o verdadeiro direito à vida. Nos casos de estupro, ou quando se descobre a anormalidade de um feto – os casos de anencefalia, por exemplo – ou ainda quando a gravidez põe seriamente em risco a vida da gestante, nesses casos é admissível o aborto. Ainda assim, só é aceitável até o terceiro mês de gestação. De que adianta colocar uma criança no mundo se depois a mulher não terá condições de sustentá-la e educá-la sob os mínimos requisitos de civilidade? Criança, como bem diz o termo, é alguém passível de ser criado. Ou seja, o feto só se torna criança a partir do momento em que é capaz de sobreviver independente do corpo da gestante, desvinculado do cordão umbilical. E eu vos digo da parte de meu